Post Partum Depression

Post Partum Depression

And because when we say that this page and our new collection are focused on Self Care, it's not just because it's trendy. It's also because it hits close to home. And that's why, despite feeling somewhat embarrassed and afraid of silly judgments, I'm sharing what happened to me.

Everything was fine, and the next day, it wasn't.

What was happening to me? How did I go from being okay to being in the dumps? I had a smooth c-section, we came back home, I was ready to start running and doing handstands just four days later... I had a baby who only ate and slept... hardly cried... what the heck was wrong with me? Sure, I had the typical early nights when we had to wake up 2x to feed her... but it was 2x... TWO TIMES! That was many mothers' dream who got up 8 times during the night. What did I have to complain about? Our dear Carolina accepted her brother with so much love and care... how could I be feeling this way? What the fuck was wrong with me? After a few initial months with Carolina's serious hidden reflux, which clearly left me with PTSD... this baby, Du, was a SAINT (yes, in capital letters!). But in my head, I felt alone, isolated from the world, like a stupid alien who couldn't appreciate the luck I had. How was this possible? What was going on in my head that I couldn't see everything I had in front of me? On the contrary... all I saw was darkness, tears streaming down my face every hour, unable to stop. My chest was being crushed, someone wasn't allowing me to breathe... was it myself? My stomach was full of stones, I couldn't eat... how did they get there? My brain was tied up in knots... so tightly wrapped that I couldn't figure out how to get out of that situation. I just wanted to escape... but escape to where? This was my home, my husband, my children... where could I go? And what was I running away from? Myself? My son? But what harm did he do? I wanted to have him... why would I run away from him now? Every time he cried (and he cried very little), I was reminded of Carolina's first months, and a huge shadow overcame me, preventing me from thinking, from breathing. What was happening? Why couldn't I see reality as it was? Why was my brain turning everything into dark scenarios... why was I falling into a bottomless pit? Why did I hide in the room crying so that my older daughter wouldn't see me like that? Why did I cry every time my son didn't take a nap at the expected time? Why couldn't I look at him and think, you're beautiful, you're mine, you're everything I wanted? What a terrible mother I was, a mother who didn't deserve to be a mother. A woman who didn't deserve to be a woman. Why was this happening to me?

It's true... I've always been a bit negative... despite having a very good life full of love. But at that moment, I couldn't see that. I couldn't see anything... just darkness... and tears, many tears. I felt so alone. I was alone in the world. I had no one, so I might as well run away. But I couldn't run away either... because on the other hand, I just wanted to hug and kiss my older daughter... I just wanted to have her all to myself. How awful to think that... what a horrible mother. And tears again. And heaviness in my chest again.

And I wasn't even breastfeeding... what a weak person I was, I didn't even have to go through that... and still, I was in a terrible state. How could I be so weak... how could I want to escape from a situation that would be a dream for any other mother? How?

What a shitty mother I was.

There were no answers to my questions, no justifications for my doubts, my cries, my shortness of breath, my stomach full of stones. Or rather, there was a justification, but it was the one I didn't want to admit to myself. Was I depressed? But how could that be? I had a dream baby, a spectacular husband, a daughter who adored her brother, and a family that supported me so much. How could I be depressed with all this? I had read about Postpartum Depression, and I think I came close to it with Carolina, but with this baby? This dream baby? How?

I sat on the bed, tired of tears. I called my psychiatrist, recommended by my obstetrician, and her words gave me peace, they gave me all the answers in the world:

"Darling, we're not going to look for justification for all those questions now. We are going to take care of you. The rest will be sorted out later."

On that same day, I started the medication, yes, it's an antidepressant... I think until today, I was ashamed to share this... yes, I take an antidepressant, so what? After 1.5/2 weeks, I was a different person... I started to doubt whether it was really because of the medication or if it was me... but the truth is that my life changed. I didn't cry anymore, I started to look at Du with different eyes, I could see, I could breathe, I could eat. And I saw that I had the most smiling baby in the world. He was always laughing. He was one month old and couldn't stop laughing. And I just thought, it's good that I didn't wait to talk, it's good that I didn't wait to seek treatment because if I had waited, I would have lost all this. And no, taking an antidepressant doesn't mean you have to take it forever... Postpartum Depression is a specific period in a mother's life and can be overcome when you ask for help.

I also made sure to have psychological counseling to accompany me for a while because I wanted to make sure my knots were untangled. And I started to exercise, started doing boxing. I really advise all new mothers to take 45 minutes just for themselves to punch a bag. It's liberating.

I started to see life with different colors, it might sound silly to say this... since I had such a good life... but everything was black at that time. I hope I never go back there, but if it happens again, I know the signs and I won't wait to ask for help.

We talk little about this, we're not well informed about it when we get pregnant. And often our feelings are devalued as "normal" for the phase we're going through... "well, it's the hormones, it's the lack of good sleep..." Fatigue, baby blues, or lack of sleep are not the same as PPD. If you're going through what I described, or if you know someone in this situation, seek help and help them. And very importantly, don't be deceived by social media, don't compare yourself to postpartums that seem idyllic, don't feel like bad mothers for not falling in love with your baby right away. We're not all the same; in fact, we're all very different and go through unique experiences. Don't compare yourself to friends, family, or anyone else. Your experience is unique, your feelings are valid. You're not worse mothers for asking for help; in fact, you're more courageous, stronger mothers who want the best for your family.

Ask for help.

Husbands, families, and friends, pay attention. These situations are not clear, not black and white... they're often gray and difficult to decipher. And mothers tend to close up, not share, and sink into their own black hole. Pull them up, make them see that asking for help doesn't make them bad mothers. Help them.

After all this rambling, in which I had to go take my smiling Du from his nap in the middle, I just wanted to thank all those who helped me during this time. You know who you are.

I love you to the moon and back.

Hugs,

Mariana

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

E porque quando dizemos que esta página e a nossa nova coleção é focada em Self Care, não é só porque está na moda. É também porque nos toca de perto. E por isso, apesar de com alguma vergonha e medo de julgamentos parvos, partilho o que me aconteceu.

Estava tudo bem e no dia seguinte já não estava.

O que se passava comigo? Como passei de OK para estar na merda? Tive uma cesariana tranquila, voltamos para casa, estava pronta para começar a correr e a fazer o pino 4 dias depois…tinha um bebé que só comia e dormia…quase não chorava…o que raio se passava comigo? Claro que tinha as típicas noites iniciais em que tínhamos de acordar 2x para lhe dar comida…. Mas eram 2x… DUAS VEZES!  Isso era o sonho de muitas mães que se levantavam 8 vezes durante a noite. O que é que eu tinha para me queixar? A nossa querida Carolina tinha aceitado o irmão com tanto amor e com tanto carinho e cuidado por ele… como é que eu podia estar assim? What the fuck was wrong with me? Depois de uns primeiros meses com o refluxo oculto grave da Carolina que me deixaram claramente com PTSD… este bebé DU era um SANTO (com maiúsculas sim!). Mas na minha cabeça, eu estava sozinha, eu estava isolada do mundo, eu era um alien estupido que não sabia aproveitar a sorte que tinha. Como era possível? O que se passava na minha cabeça para não conseguir ver tudo aquilo que tinha à minha frente. Pelo contrário…só via tudo preto, só via água, lágrimas a escorrerem-me pela cara de hora em hora, sem conseguir parar. O meu peito estava a ser pisado, alguém não me deixava respirar…era eu própria? O meu estomago estava cheio de pedras, não conseguia comer…como foram lá parar? O meu cérebro estava cheio de nós…tão mas tão bem enrolados que eu não conseguia perceber como sair daquela situação. Só queria fugir… mas fugir para onde? Esta era a minha casa, o meu marido, os meus filhos…para onde é que eu ia? E ia fugir de quê? De mim mesma? Do meu filho? Mas que mal fez ele? Eu é que o quis ter…porque é que agora ia fugir dele? Cada vez que ele chorava (e chorava muuuito pouco) eu relembrava-me dos primeiros meses da Carol e apoderava-se de mim uma sombra gigante que não me deixava pensar, não me deixava respirar. O que se estava a passar? Porque não conseguia ver a realidade como ela era? Porque é que o meu cérebro estava a transforar tudo em cenários negros… porque estava a cair num buraco sem fundo? Porque me escondia no quarto a chorar para a minha filha mais velha não me ter de ver assim? Porque chorava cada vez que o meu filho não fazia a sesta na hora que era suposto? Porque não conseguia olhar para ele e pensar, és lindo, és meu, és tudo o que queria? Mas que mãe péssima, que mãe que não merece ser mãe. Que mulher que não merece ser mulher. Porque é que isto se estava a passar comigo?

É verdade…sempre fui um pouco negativa…apesar de ter uma vida muito boa e cheia de amor. Mas naquele momento, não conseguia ver isso. Não conseguia ver nada… só negro…e lágrimas, muitas lágrimas. Estava tão sozinha. Estava sozinha no mundo. Não tinha ninguém, por isso mais valia fugir. Mas também não conseguia fugir…porque por outro lado só me apetecia abraçar e beijar a minha filha mais velha…só me apetecia tê-la só a ela. Que coisa horrível para se pensar….que mãe horrível. E lágrimas outra vez. E peso no peito outra vez.

E nem estava a dar de mamar…que fraca que eu era, nem tive de passar por isso…e mesmo assim estava na merda. Como é que era possível ser tão fraca…como é que era possível querer fugir de uma situação que para qualquer outra mãe seria um sonho? Como?

Que merda de mãe que eu era.

Não existiam respostas para as minhas perguntas, não havia justificações para as minhas dúvidas, para os meus choros, para as minhas faltas de ar, para as minhas pedras no estomago. Ou melhor, havia uma justificação, mas era aquela que eu não queria dar a mim mesma. Estaria eu deprimida? Mas como assim deprimida? Tinha um bebé de sonho, um marido espetacular, uma filha que adorava o irmão e uma família que me apoiava tanto. Como podia estar deprimida com isto tudo? Já tinha lido sobre Depressão Pós-Parto e acho que com a Carolina estive lá perto, mas com este bebé? Este bebé de sonho? Como assim?

Sentei-me na cama, estava a ficar farta de lágrimas. Liguei para a minha médica psiquiatra, recomendada pela minha obstetra e as palavras dela deram-me uma paz, deram-me todas as respostas do mundo:

Querida, não vamos agora procurar justificação para todas essas perguntas, vamos sim tratar de si. Depois o resto logo se resolve.

Nesse mesmo dia comecei a medicação, sim é um anti-depressivo…acho que até hoje tinha vergonha de partilhar isto… sim tomo um anti-depressivo, so what? Passadas 1.5/2 semanas eu era outra pessoa….já duvidava se era mesmo dos remédios ou se era eu…mas a verdade é que a minha vida mudou. Não voltei a chorar, comecei a olhar para o Du com outros olhos, já conseguia ver, já conseguia respirar, já conseguia comer. E vi que o tinha o bebé mais sorridente do mundo. Estava sempre a rir-se. Tinha 1 mês e não parava de rir. E só pensei, que bom que não esperei para falar, que bom que não esperei para me tratar, porque se esperasse ia perder isto tudo. E não, por tomarem um anti-depressivo não quer dizer que o tenham de fazer para sempre… a Depressão Pós Parto é uma altura especifica na vida de uma mãe e pode ser ultrapassada quando pedem ajuda.

Fiz questão também de ter consultas de psicologia para me acompanhar durante um tempo, porque queria ter a certeza que os meus nós eram desfeitos. E comecei a fazer exercício, comecei a fazer boxing. E aconselho mesmo a todas as recém mães que tenham 45min só para si para darem murros num saco. É libertador.

Comecei a ver a vida com outras cores, parece parvo dizer isto...já que tinha uma vida tão boa… mas estava tudo negro naquela altura. Espero não voltar lá nunca, mas se voltar a acontecer já sei os sinais e não ficarei a espera para pedir ajuda.

Fala-se pouco sobre isto, somos pouco informadas sobre isto quando engravidamos. E muitas vezes os nossos sentimentos são desvalorizados como “normais” para a fase que estamos a viver… “pois, são as hormonas, pois é a falta de dormir bem….”. Cansaço, baby blues ou falta de sono não são a mesma coisa que DPP. Se estão a passar pelo que descrevi, ou se conhecem alguém nesta situação, peçam ajuda e ajudem. E muito importante, não se deixem enganar pelas redes sociais, não se comparem com pós partos que parecem idílicos, não se sintam más mães por não se apaixonarem logo pelo vosso bebé. Não somos todas iguais, na verdade somos todas bem diferentes e passámos por experiências únicas. Não se comparem com amigas, com familiares, com ninguém. A vossa vivência é única, os vossos sentimentos são válidos. Não são piores mães por pedirem ajuda, na verdade são é mães mais corajosas, mais fortes e que querem o melhor para a vossa família.

 

Peçam ajuda.

Maridos e famílias e amigos, estejam atentos. Estas situações não são claras, não são preto no branco… são muitas vezes cinzento e difícil de decifrar. E a mãe tende a fechar-se sobre si mesma, a não partilhar e a afundar-se no seu próprio buraco negro. Puxem-nas para cima, façam-nas ver que pedir ajuda não é ser má mãe. Ajudem.

Depois de todo este testamento, em que a meio tive de ir tirar o meu sorridente Du da sua sesta, queria só agradecer a todos os que me ajudaram nesta altura. Vocês sabem quem são.

I love you to the moon and back.

Beijinho,

Mariana

 

Deixo aqui algumas informações que podem ajudar:

https://www.sns24.gov.pt/tema/saude-da-mulher/depressao-pos-parto/#

E curiosamente a Dra. Margarida DG Santos publicou um vídeo sobre isto no final do mês passado. De certeza se tiverem duvidas ela irá conseguir ajudar. 

E as médicas que me acompanharam nesta altura:

Dra. Ana Peixinho – Psiquiatra no Hosp Lusíadas Lisboa

Dra. Alexandra Rosa – Psicóloga na Clinica Fale Connosco

E mesmo para quem não esteja a passar por isto, aconselho muito as aulas de boxing no Brooklin Fitboxing do Alto dos Moinhos.

RELATED ARTICLES